Sunday, April 15, 2007

O espetáculo do eclipse

( já que ninguém atualiza, farei desse canto um refúgio )

O Espetáculo do Eclipse

O cenário estava montado. As pequeninas estrelas eram lamparinas prontas para iluminar o espetáculo. Todas em seus lugares, sem ofuscar, sem cegar os espectadores. Naquela noite elas não seriam as estrelas, seriam apenas coadjuvantes. A verdadeira estrela do show seria a Lua.

Ela estava perfeita. Uma dançarina pronta para um grande espetáculo, com todo o seu glamour, seu brilho...Sua leveza. Reinava soberana por aquele céu escuro. As nuvens encobriam a visão a principio, mas naquela noite elas nada seriam senão cortinas para impedir que a surpresa do espetáculo fosse revelada antes da hora. Foi então que a música começou, lenta, calma e silenciosa...Silenciosa como o universo deve ser. Onde nada ecoa, nada faz barulho para não atrapalhar o espetáculo.

Dado o sinal de inicio, as nuvens se abriram e a grande estrela Lua começou a bailar. Bailava solitária, tentando esconder a tristeza da solidão atrás do seu brilho. Bailava, a musica silenciosa ecoava no vazio e a estrela Lua bailava. Bailava perdidamente, tento todo o céu como palco, todo o universo infinito para dançar. Mas ela estava sozinha. De que adiantaria todo o brilho, todo o universo, todas as estrelas a iluminando se ela estava sozinha?

Assim ela parou, parou de dançar e chorou. As nuvens voltaram, encobriram a estrela. Ela tinha que se recuperar, o show deveria continuar. As pequenas lamparinas estrelas continuaram firmes. Formavam divertidos desenhos nos céus para distrair os telespectadores. Desenhos de escorpião, de caçador, de cães, de baleias, de camaleão, de cisnes, de peixes...Uma infinidade de figuras criadas há milhões de anos atrás e que foram desvendadas e nomeadas pelos homens com o passar do tempo.

A Lua então parou de chorar e voltou a dançar. As nuvens reabriram para espetáculo continuar. Depois de dançar sozinha por um longo tempo, a lua se cansou. Foi aí que apareceu um par para acompanhá-la. Porém ele era tão misterioso que a Lua somente via sua sombra. Assim mesmo aceitou o convite e estendeu a mão para ele. Eis que nesse misterioso ser, a Lua descobriu um perfeito dançarino e os dois juntos bailaram por um longo tempo. Dançaram muito, dançaram de tal forma que a estrela Lua sentiu se totalmente cativa pelo ser misterioso e este se viu totalmente atraído pelo brilho que a menina Lua emanava. Logo ele se viu com ciúmes da platéia dela e a quis somente para si, ela e seu brilho.

O ser tomou a Lua em seus braços e com sua capa a escondeu da platéia. Ela seria sua e de mais ninguém. A estrela então se viu confusa, dividida. O que deveria fazer? Não podia abandonar seus admiradores! Quem daria inspiração para os poetas? Paixão para os namorados? Alento para os abandonados? Não podia, simplesmente não podia abandonar seus amigos depois de tantas coisas que haviam passado. Com muito custo soltou-se dos braços do seu amante misterioso e voltou a dançar. No entanto, nunca ninguém a tinha segurado daquele jeito, nunca alguém lhe tinha sido antes tão necessário . Foi aí que se descobriu amando. E o amor era forte demais.

Seu coração estava partido. Seus admiradores ou seu amado? Depois de muito pensar nos bastidores encoberta pelas nuvens, ela chegou a uma decisão. Haveria de continuar dançando para as pessoas, mas de vez em quando se encontraria com seu amor e os dois dançariam juntos para quem quisesse ver. O seu amado teria o momento em que o brilho da Lua seria só dele, o momento em que a Lua abandonaria sua platéia para ficar com seu amor e com ele somente.

E assim, de tempos em tempos durante certos espetáculos da Lua, ela desaparece por total para ficar a sós com sua metade...Dando origem ao termo eclipse que na língua dos antigos que dizer abandono...O momento que ela abandona o palco para ir sonhar, para ir amar...



( Texto muito muito velho, desenterrado no além túmulo )

1 comment:

Mary said...

XUXU, VC ME MATA DE ORGULHO!!!