Sunday, October 01, 2006

Borboletas de Infinito

Borboletas de Infinito

Nesse momento recém mundo,
ouço a velhice das asas, um rangido
das borboletas d'um finito findo
Fijo já ser surdo o mundo
e às Borboletas de Infinito fujo...

1 comment:

Lígia said...

Tuas poesias me fazem enrubescer às vezes... Beijos!